2017: Programação - SÃO LUIZ TEATRO MUNICIPAL


São Luiz Teatro Municipal
Rua António Maria Cardoso 38, Lisboa

Programação
VISITAS GUIADAS
Sábados, 14h30, em português: 21 jan, 25 fev, 11 mar, 1 abr

Sábados, 14h30 em português, 16h em inglês: 27 mai, 24 jun

duração 1h (aprox.)
lotação limitada a 20 pessoas 
bilhete normal €2 
crianças (entrada livre)
Portadores do cartão Maria e Luiz (entrada livre) 
Reservas: bilheteira@teatrosaoluiz.pt / 213257650 






MÚSICA
Passado e Presente – Lisboa, capital ibero-americana de Cultura 2017
7 jan
DANÇAS NO JARDIM DE INVERNO
DJ La Flama Blanca (Portugal)
Instalação Pedro Valdez Cardoso (Portugal)
Sábado, 24h
M/6
Jardim de Inverno
Entrada livre (sujeita à lotação da sala)

A instalação do artista visual Pedro Valdez Cardoso é luxuriosa e divertida e com as sonoridades de contornos latinos do DJ La Flama Blanca damos início às danças. 



DEBATE

24, 25 MAR

O DESEJO DE VIVER EM COMUM
CONFERÊNCIA
JARDIM DE INVERNO
Sexta e sábado, 10h - 18h
Entrada livre (sujeita à lotação da sala)

O ’viver em comum‘  constituiu, na passagem do séc. XX para o séc. XXI, matéria de debate social e político em que se envolveram pensadores, alternativas políticas e alguns artistas. Era no tempo em que um multiculturalismo de formato light ainda era pensado como possível e que, aparentemente, traduzia uma certa maneira de olhar de alguma urbanidade europeia. 
Mas deste olhar, ingénuo nuns casos, e cínico noutros, era escamoteado um conjunto complexo de situações explosivas que se têm vindo a manifestar nos últimos 15 anos na Europa e que atingem o seu clímax com a criação da fortaleza europeia contra os refugiados. 

Com Adalberto Cardoso (Brasil), Patricia Jacquelyne Balbuena Palacios (Peru) Renata Bittencourt (Brasil), Omer Freixa (Argentina) e Margarida Calafate Ribeiro (Portugal) 


DEBATE
10 MAI
MIGRAÇÕES
PASSADO E PRESENTE – LISBOA, CAPITAL IBERO-AMERICANA DE CULTURA 2017
JARDIM DE INVERNO
Quarta, 10h – 18h
Entrada livre (sujeita à lotação da sala)

No pórtico de A Selva, Ferreira de Castro (1898-1974) dedica em simultâneo este seu romance, à selva amazónica onde o mesmo decorre e aos seus irmãos cearenses e maranhenses ”gente sem crónica definitiva” mas que são quem extrai a borracha com que se fabricam os pneus dos automóveis que circulam em São Paulo ou em Paris. E quem o escreve é simultaneamente um seringueiro e um emigrante português que, como muitos outros portugueses e espanhóis, depois dos seus antecedentes colonos, são os emigrantes que têm como destino principal - entre meados do século XIX até aos anos 60 do século passado - os países da América Latina. 

Com Maria Margarida Marques (Portugal), Juan-Pedro Fabra Guemberena (Uruguai), Carlos Gómez Florentín (Paraguai) e Berta Palou (Espanha)
Colaboração de Martin Craciun (Uruguai)


CONFERÊNCIA
24 MAI
RACISMO E CIDADANIA (Portugal)
Com Francisco Bethencourt, Joacine Katar Moreira, Jorge Vala, Mamadou Ba e Teresa Beleza 
Quarta, 18h
Sala Luis Miguel Cintra
Entrada livre (sujeita à lotação da sala)

Um encontro que surge a propósito da exposição Racismos (Portugal) que tem por objetivo discutir a relação entre racismo e cidadania num espaço de seis séculos, de 1497 ao presente. Centrada no caso português, abre janelas comparativas para a compreensão do racismo como preconceito relativo a descendência étnica combinado com ação discriminatória. No período considerado, ocorreram a expulsão de muçulmanos, a conversão forçada de judeus, o tráfico de escravos, a colonização de territórios em África, América e Ásia, a abolição da escravatura, a descolonização e o início de um processo inverso de imigração.


DEBATE
21 JAN
CICLO TENNESSEE WILLIAMS
JORGE SILVA MELO CONVERSA COM O PÚBLICO
JARDIM DE INVERNO
Sábado, 18h30
Entrada livre (sujeita à lotação da sala)

Há três anos a frequentar os textos de Tennessee Williams. Tantas surpresas. Tão diferentes dos belíssimos filmes que geraram. Quatro produções, muitas cidades visitadas. Livros. Porque voltámos a Tennessee Williams? O que é feito da sua febre? – Jorge Silva Melo

Jorge Silva Melo faz um balanço dos espetáculos que dirigiu a partir de 2014 com textos de Tennessee Williams Gata em Telhado de Zinco Quente (2014- 2016), Doce Pássaro da Juventude (2015-20166), Jardim Zoológico de Vidro (2016). E agora, A Noite da Iguana.




CONVERSA
Em parceria com A Tarumba – Teatro de Marionetas
21 Mar
Dia Mundial da Marioneta
Terça, 18h30
Jardim de Inverno
Entrada livre (sujeita à lotação da sala)

Apresentação da programação do FIMFA Lx17 - Festival Internacional de Marionetas e Formas Animadas
Pensar a marioneta contemporânea

O teatro de marionetas e formas animadas não tem fronteiras, é notória a sua presença e influência nas criações de numerosos artistas, ao estabelecer ligações, com a dança, o novo circo, o teatro ou com o vídeo. Estes artistas apropriam-se frequentemente das técnicas da marioneta para animar a matéria, conjugando o corpo, a imagem ou o objeto.
A relação iniciada em 2012 com o Teatro São Luiz, e reforçada numa nova parceria em 2015, tem vindo a possibilitar o desenvolvimento de uma ideia de programação que permite divulgar novas estéticas e novos criadores de forma mais consistente, dar a conhecer o universo contemporâneo da marionetas, os seus artistas emergentes, realizar workshops, residências artísticas e aproximar o público deste universo.
O São Luiz tornou-se também na Casa das Marionetas, mas com características muito especiais, numa parceria feita de trocas e de respeito mútuo, de ânsias, desafios e sonhos partilhados, permitindo a abertura de um percurso em torno da criação e reflexão artísticas.
De março a maio o São Luiz contará com presença de diversos artistas que “trabalham a marioneta” com diferentes olhares. Em março poderemos ver o novo trabalho da encenadora, marionetista e dramaturga Marta Cuscuná, Sorry Boys, a terceira parte da sua trilogia sobre a resistência feminina. Em abril Kalle Nio, artista visual e ligado à nova magia, presente em várias edições do FIMFA, apresenta o seu mais recente trabalho, Cutting Edge. E em maio chega o FIMFA! Espetáculos e diversas atividades irão ocupar o São Luiz com propostas para todas as idades. Revelamos para já a apresentação de dois espetáculos deslumbrantes que desafiam as leis da gravidade, Celui Qui Tombe, de Yoann Bougeois, e L’Après-Midi d’un Foehn - version 1, de Phia Ménard - Cie Non Nova. Os chilenos Teatro y su Doble trazem Feos, em que marionetas mostram a relação do ser humano com a beleza e o seu oposto.
Ficamos a aguardar a vossa visita ao universo da marioneta contemporânea e das suas metamorfoses, onde objetos ganham vida e nos fazem pensar...

Luís Vieira e Rute Ribeiro (Direção artística de A Tarumba/ FIMFA Lx)



MÚSICA
28, 29 mar
PEÇAS FRESCAS
Escola Superior de Música de Lisboa
Terça e quarta, 18h30
M/6
Jardim de Inverno e Sala Mário Viegas 
Entrada livre (sujeita à lotação da sala)

Estreia absoluta de obras dos alunos de Composição da Escola Superior de Música de Lisboa.
O projeto Peças Frescas é um ‘laboratório’ que permite a estes alunos experimentarem o resultado das suas criações musicais. Este ciclo veio possibilitar a audição dessa música em concertos públicos e num palco de referência da cidade de Lisboa. 
Ao envolver os alunos de composição, instrumento, canto e direção da ESML, o projeto Peças Frescas permite também que se estabeleçam diálogos entre aqueles que inventam a música e aqueles que a dão a conhecer ao público - os intérpretes - interação essencial para uma formação artística que se pretende dinâmica e completa.

Com apresentação: Escola Superior de Música de Lisboa e São Luiz Teatro Municipal



MÚSICA
27 mai

FESTIVAL ESCOLA SUPERIOR DE MÚSICA

Sábado, a partir das 15h
Sala Luis Miguel Cintra e Jardim de Inverno
M/6
Entrada livre (sujeita à lotação da sala)

Na produção artística da Escola Superior de Música de Lisboa destacam-se não só os numerosos solistas e grupos de música de câmara, cobrindo um vasto repertório desde a Música Antiga, a Música Clássica, ao Jazz, a Música Contemporânea, mas também as diferentes orquestras.
Assim, a ESML apresenta-se nesta edição do Festival com muitas das suas classes mais representativas, como a Orquestra Sinfónica, as Práticas de Ópera, ensembles mistos, coros e instrumentistas a solo.

Coapresentação: Escola Superior de Música de Lisboa e São Luiz Teatro Municipal




O PÚBLICO VAI AO TEATRO

3 jun
O PÚBLICO RECEBE
Sábado, 14h – 20h
Entrada livre (sujeita à lotação da sala)

O Público vai ao Teatro arrancou em outubro e conta com a participação de cerca de 70 pessoas, distribuídas entre os três grupos do projeto – crianças, adultos e professores.
O Público vai ao Teatro é um projeto de desenvolvimento de públicos que o teatro meia volta e depois à esquerda quando eu disser e o São Luiz Teatro Municipal têm vindo a dinamizar em parceria com a Escola Básica e Secundária Passos Manuel e a Escola Superior de Educação de Lisboa, e com o apoio da Junta de Freguesia de Arroios.
Cada grupo tem acompanhado um programa específico que integra diversas atividades, entre as quais visitas guiadas ao teatro, acompanhamento de espetáculos e ensaios, encontros com as equipas criativas e conversas entre os participantes sobre hábitos de consumo cultural e a relação entre criação, receção e programação cultural.
Os encontros realizam-se até junho, terminando a temporada com o evento O Público Recebe. No dia 3 de junho, o teatro será tomado, simbolicamente, pelo público – os participantes do projeto –, que abrirá as portas e assegurará o funcionamento do teatro. Ao longo do evento, diferentes atividades procurarão dar a conhecer aos visitantes – o público do São Luiz – o percurso realizado pelos participantes do projeto, partilhando resultados e reflexões. 
Programa a anunciar
Coordenação: Alfredo Martins; Anabela Almeida e Sara Duarte   
Coprodução: teatro meia volta e depois à esquerda quando eu disser e São Luiz Teatro Municipal


Transportes
Metro: Baixa-Chiado
Autocarros: 709, 711, 714, 732, 735, 736, 758, 759, 760, 781, 782
Barco: Terreiro do Paço, Cais do Sodré 
Comboio: Cais do Sodré, Rossio, Santa Apolónia

Sem comentários:

Enviar um comentário